Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
Simepetro - Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
(11) 3207 0072
Críticas à Petrobras são ‘espuma’, diz Gabrielli

O ex-presidente da Petrobras e secretário do Planejamento da Bahia, José Sergio Gabrielli, afirmou que a estatal do petróleo enfrenta um problema de curto prazo e que as críticas feitas à gestão da companhia “são muito mais espuma do que realidade”. Para Gabrielli, a tese de que a Petrobras está descapitalizada “é uma falsa polêmica”, já que os problemas de caixa de empresa ocorrem em boa parte pelo investimento feito para a ampliação da capacidade de refino. “Evidentemente a Petrobras passa por problema de curto prazo, porque investe muito”, disse ao chegar ao evento organizado pelo PT em São Paulo para comemorar os 10 anos do partido na Presidência da República.

 

 

 

Gabrielli defendeu a construção de refinarias para suprir o que ele considera um dos maiores gargalos do setor de combustíveis, que é atender o crescimento da demanda por gasolina, diesel e óleos, da ordem de 40%, nos últimos três anos. Ele rebateu as críticas do mercado financeiro sobre as margens menores dos investimentos em refino sobre os em produção de petróleo. “A decisão é correta, mesmo que o mercado financeiro, de vez em quando, ache um problema, porque, evidentemente o que dá mais lucro é o petróleo. A Petrobras é uma petroleira, mas também é produtora de derivados e para isso precisa da refinaria”.

 

 

 

Reajuste

 

Retomando o discurso de quando era presidente, Gabrielli defendeu o reajuste da gasolina e do diesel, mesmo com a posição contrária do governo, que é entendida pelo mercado como um modo de controlar da inflação. “A política de preços no longo prazo é estabilizadora e é verdade que em certos momentos cria problemas com o caixa da empresa”, disse. “(Pedir os reajustes) É processo que todo mundo vai ter de tentar”. No último dia 30 entraram em vigor o aumento de 6,6% para a gasolina e de 5,4% para o diesel nas refinarias.

 

 

 

Fonte: Diário do Nordeste