Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
Simepetro - Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
(11) 3207 0072
Lesil inicia operações na planta química de Diadema

Grupo Agecom do Brasil investe US$ 1 milhão no “start” da fábrica,

que quase triplicará a produção atual da empresa

A Lesil Indústria e Comércio, empresa do Grupo Agecom do Brasil, iniciou no mês de maio as operações de logística e expedição de lubrificantes na planta química de Diadema. Para junho, está previsto o início da produção de lubrificantes automotivos e industriais. A empresa também distribuirá óleos para transformadores, óleos para pulverização agrícola (OPPA) e especialidades como vaselinas e óleos grau alimentício.

Atualmente, a produção de lubrificantes é de 600 mil litros mensais. Com a nova planta, a previsão para dezembro deste ano é alcançar a produção de um milhão de litros e, em 2010, atingir o patamar de dois milhões de litros por mês.

A unidade será equipada com um moderno sistema de envase, com maquinário rotativo para frascos de 1 litro e 500 mL. A produção nominal tem capacidade mensal para 2.100.000 litros em um único turno de trabalho, além do desenvolvimento e estocagem de produtos em bombonas, tambores, containers e a granel.

US$ 1 Milhão Em Investimentos E Novas Contratações

Com investimento de US$ 1 milhão, serão contratados 20 funcionários e estruturado um moderno laboratório com equipamentos de última geração. A fábrica prestará serviços para as próprias empresas do Grupo e ainda clientes multinacionais.

Segundo Marcos Guerra, CEO do Grupo Agecom do Brasil, a nova planta fabril irá ampliar a produtividade atual da empresa e simplificar as distâncias percorridas. “A Lesil inicia suas operações para acompanhar a crescente demanda do mercado, que exige grandes quantidades e prazos rígidos. No começo, os processos eram realizados em Iperó, interior de São Paulo. Com o ‘start’ das operações em Diadema, área metropolitana de São Paulo, o tempo gasto com o transporte será menor, tornando o ciclo mais eficiente”, afirma.