Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
Simepetro - Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
(11) 3207 0072
Novas tendências para embalagens de lubrificantes – 31/03/10
Lubes em Foco
Especialistas discutem alterações nas tendências para embalagens de lubrificantes, em encontro nos EUA, com foco voltado para benefícios ao cliente, tais como atratividade, ergonomia e individualização. Essa nova mentalidade entra em conflito com o foco em economia, uma vez que a busca por redução de peso da embalagem nem sempre pode ser feita em conjunto com os novos requisitos.

Conforme apresentação feita pelo Sr. Christian Musiol, diretor de desenvolvimento de mercado da empresa alemã Bericap GmbH, em Hamburgo, as tendências da última década, tanto para lubrificantes como para embalagens, com foco em globalização, padronização, racionalização e concentração já se tornaram realidade. Atualmente, olhando para o futuro, podemos admitir quatro tendências principais: funcionalidade, ergonomia, sustentabilidade e proteção anti-fraude, mas, suas importâncias variam de região para região.

Os 10 principais países, em consumo de lubrificantes automotivos, representam cerca de 60% do mercado total, e os tamanhos de embalagens para óleos e graxas são padronizados em grande parte do mundo. Os custos de embalagens variam muito em todo o mundo, e, ainda segundo Musiol, a média para a embalagem de um óleo de motor, em Euros por litro, é $0,15 na América do Norte, $0,34 na Europa e $0,135 na região Ásia-Pacífico. O preço médio de mercado para um óleo de motor de mais alto nível (top-tier) segue o mesmo padrão, com os seguintes valores em Euros por litro: $6,13 na América do Norte, $10,99 na Europa e apenas $2,90 na Ásia-Pacífico.

“Os custos e preços são mais altos na Europa, devido aos elevados requisitos de individualização, e as pressões sobre preços na Ásia levam a margens mais baixas, principalmente por causa da falta de economia de escala e do baixo poder aquisitivo”, concluiu Musiol.

Fonte: Lube Report