Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
Simepetro - Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
(11) 3207 0072
Simepetro quer alteração na proposta de Elevação dos Níveis de Desempenho dos Lubrificantes

015O Simepetro promoveu no último dia 14 de outubro, reunião na sede da Entidade para discutir a Revisão da Resolução nº10 da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O presidente Carlos Ristum comentou o momento delicado vivido pelo segmento, com a possibilidade de extinção da fabricação dos óleos lubrificantes SF, SJ e CG4.

O presidente destacou ainda que o aumento de SF para SL é muito grande, e quanto maior o custo, menor a competitividade. Na análise da presidência, não houve qualquer avanço desde a reunião realizada em Brasília e o material apresentado no 6º Congresso Nacional Simepetro, no Rio de Janeiro.

Em consulta aos presentes ficou claro que a eliminação dos níveis é prejudicial para o segmento. Para Ristum o direito do consumidor não está sendo respeitado, o que há, na verdade, é um beneficiamento das quatro empresas que distribuem aditivos e as grandes Companhias. “Nosso setor está perdendo espaço, podemos ficar esperando ou ir à luta”.

O consultor técnico do Sindicato, Manoel Honorato, voltou a afirmar que o Sindicato não concorda com o fim da produção, e que os produtos deveriam receber no rótulo a indicação de obsoletos, dessa forma, caberia ao consumidor decidir pelo uso.

Outro problema é o prazo para entrada em vigor da medida, considerado muito curto. Honorato explica que 50% do volume de óleo comercializado pelos agentes associados ao Simepetro são desta especificação que se pretende proibir, daí a posição do Sindicato, por acreditar que o impacto regulatório dessa medida será muito grande para o segmento.

O Sindicato também é contrário a questão da comercialização de aditivos em frascos. “É consenso de todas as instituições que representam o mercado de que não pode haver a liberação de registros para estes produtos”, afirma Manoel Honorato.Ele diz que ao isentar de registros estes aditivos, fica totalmente sem efeito a sugestão de elevação dos níveis mínimos de qualidade destes lubrificantes automotivos, pois se a intenção é proteger o consumidor, estes estariam desprotegidos, já que teriam lubrificantes de melhor desempenho e aditivos sem nenhum controle. Logo, a elevação de nível ficaria totalmente sem efeito.

Cursos

Outro tema debatido na reunião foi o desenvolvimento e apresentação dos cursos técnicos, divulgados durante o Congresso. A proposta, explicou Manoel Honorato é propiciar a capacitação dos técnicos das empresas. O presidente Carlos Ristum falou ainda sobre a ideia de criar um selo de qualidade para as empresas. “Ainda estamos estudando a questão, mas achamos que poderá ajudar bastante”.

O Programa Jogue Limpo também mereceu atenção da diretoria. Foi informado aos presentes sobre a posição da instituição quando da solicitação por parte das prefeituras e do Ministério Público, da relação de associados. Mais uma vez o presidente Carlos Ristum lembrou que as empresas que não aderirem ao Programa Jogue Limpo – programa já monitorado pelas secretarias de Meio Ambiente com as quais o Sindicato já firmou Acordos Setorias – terão que prestar contas aos órgãos públicos quanto ao cumprimento do que determina a legislação.

Honorato lembra que as empresas que atuam com produtos industriais precisam se manifestar para que não sofram penalidades. O Sindicato está à disposição para maiores informações.