Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
Simepetro - Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras, Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo
(11) 3207 0072
Vazamento na Bacia de Campos está controlado, diz Petrobras – 08/06/10
 
Agência Estado

A Petrobrás informou nesta segunda-feira, 7, que conseguiu controlar um vazamento de cerca de 1,5 mil litros de óleo em um dos campos de exploração de petróleo da companhia na Bacia de Campos, no litoral do Rio de Janeiro. Segundo a estatal, o vazamento foi identificado no início da manhã no entorno da plataforma de processamento P-47, no campo de Marlim, a 160 quilômetros da costa de Macaé, no Norte Fluminense.

A plataforma é usada como suporte para o tratamento e armazenagem do petróleo extraído das plataformas de produção da Petrobrás naquela área. O vazamento teria sido provocado por um problema em um mangote, espécie de tubo flexível que seria usado na transferência de óleo da P-47 para o navio aliviador Cap Jean. Os sinais do óleo no mar foram descobertos pouco antes do início da operação.

“Assim que constatou a ocorrência, a Petrobrás acionou o Plano de Emergência para assegurar a máxima proteção às pessoas e ao meio ambiente. Foram mobilizados um helicóptero e quatro embarcações especializadas em recolhimento de óleo. O vazamento foi imediatamente controlado, sem danos às pessoas e às instalações”, diz a nota da empresa, enviada no final da tarde.

A companhia informou ter suspendido a mobilização às 14h, quando não havia mais vestígios de óleo no mar. Segundo a empresa, o incidente não chegou a prejudicar a produção na Bacia de Campos.

Uma sindicância foi aberta para apurar as causas do acidente. A estatal notificou a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a Marinha e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Há um mês, a explosão de uma plataforma da British Petroleum no Golfo do México, cujo vazamento de óleo de grandes proporções decorrente ainda não foi controlado, chamou a atenção para os riscos da exploração de petróleo no mar e a necessidade de reforço dos mecanismos de segurança das operadoras.